Gandalf the Wizard
   Harry Potter 7

Capa e contra capa da sétima edição de Harry Potter!

Como a capa brasileira e sempre igual a americana ai esta!

Com possível lançamento em Novembro com o título de Harry Potter e as Insígnias Mortais!

E lançamento americano e inglês no dia 21 de Julho!

Eu particularmente gostei mais da capa britânica!



Escrito por Gandalf the Wizard às 16h05
[] [envie esta mensagem]


 
   Transformes

 

Optimus Prime versus Megatron

Dia 20 de Julho no Brasil



Escrito por Gandalf the Wizard às 14h11
[] [envie esta mensagem]


 
   Os Verdadeiros Piratas do Caribe - Parte - I

Os Verdadeiros Piratas do Caribe

Entre os anos 1600 e 1700, os piratas protagonizaram batalhas brutais nas águas do Caribe. O Capitão Henry Morgan, Barba Negra, o Capitão William Kidd e Ann Bonny eram alguns dos nomes dos piratas mais famosos da época, os quais se dedicaram a abordar violentamente os carregados navios de diversas nações que passavam por estas águas. Através de dramatizações, animação, entrevistas a especialistas, imagens e peças de arquivo, este especial relata a história dos piratas mais importantes e transcendentaisdo Caribe, os barcos e os países que foram brutalmente atacados por eles e as batalhas

Barba Negra (1680 - 22 de novembro de 1718), cujo nome real era Edward Teach, foi um dos piratas mais notórios da história da pirataria, sendo uma figura lendária no folclore americano, no qual é conhecido pelo apelido original em inglês, Blackbeard.

História

Como muitos outros piratas, Barba Negra começou como um ativo corsário a serviço do Império Britânico durante a Guerra da Sucessão Espanhola (1701-13). O primeiro ato conhecido como pirata esta datado de 1716. No ano seguinte ele converteu um navio mercante Francês capturado em um poderoso vaso de guerra de 40 canhões onde surgiu o navio "Queen Anne Revange", e logo ficou notório por suas afrontas ao longo da Virgínia, Carolina do Norte e nas Costas do Mar Caribenho.

Ele era conhecido como valentão e pelos padrões de hoje ele seria tratado como um psicopata. Uma vez atirou no próprio imediato só para os marujos se lembrarem de quanto ele poderia ser mau, e assim ele era temido por todos. Ele também andava armado com várias pistolas, facas e uma espada. Nas batalhas ele colocava freqüentemente uma pequena lanterna debaixo do chapéu ou trançaria na barba de forma que isto pareceria que a cabeça dele estava em chamas. Apesar das regras de Pirataria que era discutida freqüentemente por todos os tripulantes dos navios piratas, Barba Negra era um capitão que tinha as regra absolutamente impostas por ele. Porém, ele também era bastante próspero pois conseguia altos butins para seus marujos, assim a tripulação aceitava seu comportamento agressivo.

Em 1718 ele estabeleceu base em uma enseada de Carolina do Norte, cobrando pedágios e agindo com violência contra quem recusa-se a paga-lo, assim as mercadorias só entravam na colônia depois de pagar o pedágio. Isso resultou um acordo entre Charles Eden, governador da colônia de Carolina do Norte e o governador da Virgínia Alexader Spotswood, a pedido dos plantadores das duas colônias. A colônia da Virgínia despachou uma força naval britânica sob o comando de Robert Maynard, que depois de uma dura batalha, obteve sucesso e a morte de Barba Negra foi irreversível. O corpo do pirata foi decapitado, e a cabeça dele foi pendurada na verga do mastro principal do navio “Queen Anne Revange”.

Apesar da exuberância que o ganhou o apelido dele, o aspecto mais proeminente da lenda de Barba Negra é o grande tesouro enterrado por ele, mas que nunca foi achado, mas deixam duvidas se realmente existiu.



Escrito por Gandalf the Wizard às 11h00
[] [envie esta mensagem]


 
   Os Verdadeiros Piratas do Caribe - Parte - II

Henry Morgan (1635 no País de Gales - 25 de agosto de 1688, Jamaica), foi um corsário que saqueou grande parte do Caribe.

Associado com o pirata holandês Eduard Mansvelt e o governador da Jamaica, Thomas Modyford como protector, formou uma companhia de filibusteiros que realizaram diversos saques a colônias espanholas.

Um dos seus ataques que ficara famoso foi a Porto Bello, Morgan chegou a cidade de Porto Bello com treze navios e mil cento e cinqüenta homens para invadir e derrotar as forças espanholas depois de vários dias de batalha e para retirar o ouro, a prata e as pedras preciosas utilizou -se de cento e cinqüenta mulas e ao se retirara da cidade incendiou-a. Em uma das expedições mais arrojadas Henry Morgan saiu da Jamaica com uma pequena frota de navios em direção a Yucatan atravessaram o golfo do México e marchando por cinqüenta milhas atacaram a cidade de Villahermosa e ao retornarem ao porto seus navios haviam sido aprisionados pelas tropas espanholas que faziam a ronda para protegerem as colônias de Espanha, e num golpe arrojado Morgan conseguiu roubar dois navios espanhóis e quatro canoas nativas e conseguiram navegar por quinhentas milhas sendo então arrastados por correntes marinhas adversas dando a volta na península de Yucatan foram parar na rica cidade de Granada onde a atacaram e saquearam. Diversos foram os ataques às cidades Espanholas entre elas estão Santiago de Cuba, Campeche essa cidade era defendida por dois fortes e muitos soldados espanhóis, a batalha durou dois dias onde houve a rendição espanhola.

Panamá 1671

O governador do Panamá Agustín Bracamonte havia desafiado Henry Morgan para que tenta-se invadir o Panamá como havia feito em Porto Bello, em resposta Morgan disse para que o governador aguarda-se pois teria uma surpresa. No começo de 1671 Morgan partiu em direção do Panamá com 35 navios e 2000 marujos entre ingleses e franceses, Morgan estava preparando um ataque pirata sem precedentes. Para conseguir invadir o primeiro forte custou-lhe a vida de 200 marujos e dezenas de feridos. Passado essa primeira fortaleza teriam que caminhas através da selva o que resultou um tremendo cansaço dos marujos, mas alem de tudo eram verdadeiros guerreiros, ainda mais quando tinha muitos tesouros em jogo eles lutavam até a morte. Ao chegarem na cidade do panamá ela estava defendida por 500soldados a cavalo e 2000 a pé e ainda tinha escravos e civis mal treinados. O desafortunado ataque frontal a cavalo fez com que os soldados espanhóis fossem dizimados pela artilharia de mosquetes dos piratas. Depois de uma luta sangrenta os piratas de Morgan dominaram a fortaleza. O fogo ateado não se sabe por quem queimou todo o deposito de seda e especiaria armazenada. Os piratas ficaram acampados por muitos dias torturando civis para descobrirem todos os tesouros que havia na cidade, o que resultou em um butim de 200 moedas de oito para cada pirata. Esse ataque arrasador destruiu toda a cidade do Panamá que teve que ser reconstruída.

Ante as reações do Rei da Espanha o Rei Carlos II mandou prender Henry Morgan em Londres. Porém, o rei Carlos II de Inglaterra reconheceu suas contribuições à coroa inglesa e lhe deu o título de cavaleiro, tornando-o tenente-governador da Jamaica e lhe atribuindo a meta de controlar a atividade de piratas na região. Já nomeado governador da Jamaica, viveu na ilha como rico fazendeiro até sua morte em 25 de agosto de 1688.



Escrito por Gandalf the Wizard às 10h58
[] [envie esta mensagem]


 
   Os Verdadeiros Piratas do Caribe - Parte - III

Charles Vane

Quando o governador Woodes Rogers foi enviado à Jamaica para acabar com o lugar seguro de piratas, todos os piratas que participaram da rendição de Nova Providência receberam o perdão do Rei, todos, menos Charles Vane, pois ele ateou fogo nos navios ancorados no porto e saiu sorrateiramente enquanto o governador Woodes Rogers entrava no porto.

Vane procedeu estender as suas ações de pirataria ao longo do Caribe e ao longo das costas das Colônias americanas. Quando os seus ataques ficaram conhecidos na Carolina do Norte voltou sua atenção para o Caribe, pois o seu comércio cresceu repentinamente.

Ele era extremamente popular com sua tripulação, não só teve uma habilidade misteriosa para achar tesouros, mas como também era carismático e um líder natural.

Ele também tinha o respeito de outros capitães pirata de sua mesma categoria. Diz em um relato que ele se encontrou com Barba Negra e depois de trocarem saudações os dois capitães ancoraram os navios e fizeram uma festa que durou por vários dias.

Embora ele tivesse controle sobre sua tripulação, ele não agradava a si próprio como capitão.Uma vez cometeu um erro crítico de julgamento. O capitão Charles Vane e sua tripulação encontraram uma fragata de guerra francesa e ele como era um homem prudente, decidiu não atacar um navio bem armado, enquanto a pilhagem não valeria o risco. Sua tripulação ficou enfurecida por este ato de covardia e a posição dele como capitão foi colocada em votação. Vane perdeu a votação e foi colocado com os seus partidários em um pequeno escaler e deixado a deriva.

Vane não estava porém desanimado pela volta a pirataria e depressa recrutou outra tripulação. Ele restabeleceu a sua reputação como um capitão cruel e uma vez mais se tornou um lobo do mar. Infelizmente sua sorte não voltaria. Assim que ele recuperou toda força, por causa de rachadura no casco o navio dele encheu de água e afundou, pois era um navio velho que havia capturado. Vane e alguns tripulantes conseguiram chegar a uma ilha perto onde ele viveu abandonado durante vários meses.

Depois de certo tempo, um velho amigo de Vane pelo nome de Capitão Holford, aportou na ilha para conseguir água fresca, Vane implorou para Holford que o salvasse, e apesar de serem velhos amigos, Holford disse: “Eu e minha tripulação não confiamos em você a bordo do meu navio, a menos que você seja meu prisioneiro, porque você iria intrigar a minha tripulação, me trazendo dor de cabeça.”

Nenhuma promessa de bom comportamento por parte de Vane convenceria Holford a levá-lo consigo. Se ele encontrasse Vane novamente em seu navio teria que colocar a ferros e o levaria a Port Royal para ser enforcado.

Logo após isto, chegaria outro navio a portar na ilha e este Capitão não conhecia nada sobre Vane e seu passado notório e o Capitão foi persuadido a leva-lo para fora a ilha.. Vane trabalhou duro no navio novo e foi respeitado pelo capitão e tripulação como um marinheiro experiente.

Infelizmente para Vane, a sua sorte havia o abandonado, pois Capitão Holford era conhecido deste Capitão e em um encontro no mar, veio a bordo para jantar com o Capitão. Holford aconteceu que ao olhar debaixo dos cabos das velas viu Vane trabalhando, ele falou imediatamente para o Capitão quem era novo tripulante, Vane foi agarrado e colocado imediatamente em ferros. O Capitão entregou Vane para Capitão Holford que em troca o levou de volta para Port Royal.

Não existia a mínima lealdade entre os capitães pirata que navegavam sob o domínio da bandeira pirata “Jolly Roger”.

Aindo cito vários outros famosos Piratas e suas tripulações:

Capitão John Rackam e tripulação
A pirata Mary Read
A pirata Anne Bonny
Capitão Howell Davis e tripulação
Capitão Bartholomew Roberts e tripulação
Capitão Thomas Anstis e tripulação
Capitão Richard Worley e tripulação
Capitão George Lowther e tripulação
Capitão Edward Low e tripulação
Capitão John Evans e tripulação
Capitão John Philips e tripulação
Capitão Francis Spriggs e tripulação
Capitão John Smith e trip.
Capitão William Kidd e tripulação
Capitão Philip Roche e tripulação

 

Ah como eu sei que o meu cunhado Wagner vai reclamar a falta do famoso Sir Francis Drake e seu tão famoso navio Gold Hind estou bolando um post só pra ele.

Agora chega de Piratas por uns dias! rsss



Escrito por Gandalf the Wizard às 10h57
[] [envie esta mensagem]


 
   O Oceano

O Oceano

Rola, Oceano profundo e azul sombrio, rola!
Caminham dez mil frotas sobre ti, em vão;
de ruínas o homem marca a terra, mas se evola
na praia o seu domínio. Na úmida extensão
só tu causas naufrágios; não, da destruição
feita pelo homem sombra alguma se mantém,
exceto se, gota de chuva, ele também
se afunda a borbulhar com seu gemido,
sem féretro, sem túmulo, desconhecido.

Do passo do há traços em teus caminhos,
nem são presa teus campos. Ergues-te e o sacodes
de ti; desprezas os poderes tão mesquinhos
que usa para assolar a terra, já que podes
de teu seio atirá-lo aos céus; assim o lanças
tremendo uivando em teus borrifos escarninhos
rumo a seus deuses - nos quais firma as esperanças
de achar um portou angra próxima, talvez -
e o devolves á terra: - jaza aí, de vez.

Os armamentos que fulminam as muralhas
das cidades de pedra - e tremem as nações
ante eles, como os reis em suas capitais - ,
os leviatãs de roble, cujas proporções
levam o seu criador de barro a se apontar
como Senhor do Oceano e árbitro das batalhas,
fundem-se todos nessas ondas tão fatais
para a orgulhosa Armada ou para Trafalgar.

Tuas bordas são reinos, mas o tempo os traga:
Grécia, Roma, Catargo, Assíria, onde é que estão?
Quando outrora eram livres tu as devastavas,
e tiranos copiaram-te, a partir de então;
manda o estrangeiro em praias rudes ou escravas;
reinos secaram-se em desertos, nesse espaço,
mas tu não mudas, salvo no florear da vaga;
em tua fronte azul o tempo não põe traço;
como és agora, viu-te a aurora da criação.

Tu, espelho glorioso, onde no temporal
reflete sua imagem Deus onipotente;
calmo ou convulso, quando há brisa ou vendaval,
quer a gelar o polo, quer em cima ardente
a ondear sombrio, - tu és sublime e sem final,
cópia da eternidade, trono do Invisível;
os monstros dos abismos nascem do teu lodo;
insondável, sozinho avanças, és terrível.

Amei-te, Oceano! Em meus folguedos juvenis
ir levado em teu peito, como tua espuma,
era um prazer; desde meus tempos infantis
divertir-me com as ondas dava-me alegria;
quando, porém, ao refrescar-se o mar, alguma
de tuas vagas de causar pavor se erguia,
sendo eu teu filho esse pavor me seduzia
e era agradável: nessas ondas eu confiava
e, como agora, a tua juba eu alisava.

(Lord Byron)



Escrito por Gandalf the Wizard às 12h08
[] [envie esta mensagem]


 
   Indiana Jones IV

O mais cotado boato para o titulo do quarto filme da franquia Indiana Jones começa a ganhar força na internet.

 

Indiana Jones and the City of Gods

 

Quarto filme da série tem sua história fechada a sete chaves como sempre e o boatos mais intensos é que a tal Cidade dos Deuses pode ser a cidade de Teotihuacan a 50 km da cidade do México. Mas só sabemos por enquanto se tratar de um boato, mas ficou pra lá de interessante no meu ponto de vista essa premissa!

 

 

 

Escrito inicialmente por Frank Darabont (A Espera de um Milagre) e eternamente reescrito, por que ora o George Lucas (Produtor) ou o Spielperg (Diretor) não concordavam com uma ou outra passagem foi finalizado e aprovado por ambos e escrito por  David Koepp (Jurassic Park).

 

Com estréia mundial em 22 de maio de 2008. As filmagens estão prometidas para terem inicio em Junho ou Julho em diversas locações pelo mundo.

 

Além de Harrison Ford, Sean Connery foram contratados Cate Blanchett e o jovem Shia LaBeouf que participa do filme Transformes também produzido por Spielberg, para viver segundo os boatos o filho do próprio Indy.

 



Escrito por Gandalf the Wizard às 13h41
[] [envie esta mensagem]


 
   Apenas um teste

Derfel Cadarn (pronuncia-se Derv-el), Cadarn que significa Derfel - O Poderoso, título esse ganho pela habilidade com a espada na guerra, espada essa intitulada de Hywelbane por conta de seu dono original, que fora tutor de Derfel, e assassinado na chacina ocorrida no Tor (Ynys Wydryn). É um saxão adotado por Merlin após ter se salvado da poço da morte, ao qual foi atirado pelo Druída Tanaburs, em oferenda aos Deuses, logo após a invasão de sua aldeia natal saxã pelo Rei Gundleus da Silúria, onde homens foram mortos, e mulheres escravizadas, incluindo sua mãe, que vem a ser encontrada e conta sua verdadeira descendência; filho bastardo do Rei Aelle (O Saxão), no decorrer da história torna-se um dos principais guerreiros de Artur e campeão do reino da Dumnonia; Vem a se casar com Ceinwyn (A Estrela de Powys), a mais bela dama já vista entre os reinos, que se recusa a casar com Lancelot e entrega seu cabresto nas mãos de Derfel e passa a ser sua companheira fiel durante toda a crônica até o dia de sua morte. Artur, não Rei Artur, já que na versão de Bernard Cornwell, Artur nunca chegou ao trono do reino de Dumnonia, já que fizera uma promessa ao seu pai (O grande rei Uther), de proteger o reino, para entrega-lo nas mãos de seu neto Mordred, assim que o mesmo tivesse idade para assumir o trono.



Escrito por Gandalf the Wizard às 12h53
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 

HISTÓRICO
 01/05/2007 a 31/05/2007
 01/03/2007 a 31/03/2007
 01/02/2007 a 28/02/2007
 01/01/2007 a 31/01/2007
 01/12/2006 a 31/12/2006
 01/11/2006 a 30/11/2006
 01/10/2006 a 31/10/2006
 01/09/2006 a 30/09/2006
 01/08/2006 a 31/08/2006
 01/07/2006 a 31/07/2006
 01/06/2006 a 30/06/2006
 01/05/2006 a 31/05/2006
 01/04/2006 a 30/04/2006
 01/03/2006 a 31/03/2006
 01/02/2006 a 28/02/2006
 01/01/2006 a 31/01/2006
 01/12/2005 a 31/12/2005
 01/11/2005 a 30/11/2005
 01/10/2005 a 31/10/2005
 01/09/2005 a 30/09/2005
 01/08/2005 a 31/08/2005
 01/07/2005 a 31/07/2005
 01/06/2005 a 30/06/2005
 01/05/2005 a 31/05/2005
 01/04/2005 a 30/04/2005
 01/03/2005 a 31/03/2005
 01/02/2005 a 28/02/2005
 01/01/2005 a 31/01/2005
 01/12/2004 a 31/12/2004
 01/11/2004 a 30/11/2004
 01/10/2004 a 31/10/2004
 01/09/2004 a 30/09/2004
 01/08/2004 a 31/08/2004
 01/07/2004 a 31/07/2004
 01/06/2004 a 30/06/2004
 01/05/2004 a 31/05/2004
 01/04/2004 a 30/04/2004



OUTROS SITES
 Fada Azul
 Impressões de ontem
 Spoiler - Isto é Cinema!
 Drivein
 Fiteiro
 Vindaloo
 Mais do Mesmo!
 Devaneios da Linda
 Ramses Séc. XXI
 Sabor de Amor
 Nobre Dama Pam
 Um Lindo Sonho
 Colcha de Retalhos
 Fraseando
 Há Controvérsias!!
 Sheherazade
 Opinião Tupiniquim
 Realidade Torta
 Dubalai
 PUB 66